CONTATO
Segunda a Sexta: Das 8h às 20h
Sábados: Das 8h às 12h
agendamento@clinicaecare.com.br
11 5080.8908

Você sabia que um pouco de solidão pode diminuir o stress e ansiedade?

Você já teve a impressão que o tempo está passando mais rápido? Nosso cérebro trabalha tanto que até na hora de dormir é difícil desligar a chave e essa rotina, cercada de tanta tecnologia, pode trazer sérios problemas à saúde. A ansiedade é um deles.

Diariamente, é preciso dar uma pausa nesta rotina maluca. Um estudo realizado pela revista científica Personality and Social Psychology, da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos, revelou que um pouco de solidão pode diminuir os níveis de stress e ansiedade.

De acordo com os pesquisadores, 15 minutos de isolamento ou dedicados a leitura de um livro, por exemplo, são suficientes para aliviar as emoções e conquistar a tão sonhada paz interior.

 

Levantamento mostra que 15 minutos de silêncio reduz irritabilidade

A pesquisa da Personality and Social Psychology foi realizada em três etapas: na primeira, 114 pessoas ficaram sozinhas por 15 minutos. Notou-se que as atividades emocionais foram menores do que aquelas registradas em 15 minutos de conversa. Observou-se também uma tendência menor a irritabilidade, angústia e nervosismo.

Na segunda etapa do levantamento, 108 pessoas ficaram relaxadas após 15 minutos de meditação ou dedicados a leitura de livros. Os pesquisadores destacam que é importante evitar o sentimento negativo da solidão que acontece após 15 minutos de isolamento. A receita é pensar em coisas positivas após o período.

Na terceira etapa, 173 pessoas ficaram 15 minutos sozinhas por dia durante uma semana e todas as reações foram registradas em um diário. Os resultados revelaram que dois terços dos participantes preferiram ficar em silêncio e ainda que um em cada sete optaram por focar apenas na respiração e no ambiente.

Com este resultado, ficou comprovado que um pouco de solidão não faz mal a ninguém e ainda reduz a ansiedade.

E aí, prontos para dar uma pausa na correria?

 

Fonte: Revista Veja